Entrevista de Tutinha na revista Trip.

junho 25, 2009 at 5:20 pm 14 comentários

Sabia que Roberto Marinho tinha 60 anos quando fundou a TV Globo? Antonio Augusto Amaral de Carvalho sabe. Tutinha, como todos o conhecem, é executivo todo-poderoso do rádio brasileiro e um dos nomes mais temidos pela indústria fonográfica nacional. Tem 49 anos. Aos 20, montou a Jovem Pan FM e tratou de fazer dela uma gigante da FM – hoje contando 50 afiliadas. É sucessor natural do pai, Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta, no posto de diretor-presidente do grupo Jovem Pan, que envolve outras 70 emissoras AM. Mas o fato de ele estampar pela segunda vez as Páginas Negras [a primeira foi em 1995] é por conta de uma aventura que ele começou aos 47 anos: o Pânico na TV, adaptação do talk show Pânico, líder de audiência há uma década na FM.

Em setembro de 2003, Tutinha conseguiu emplacar o programa na grade da suspeita Rede TV!. Menos de dois anos depois, com uma média de dez pontos no Ibope, a atração acostumou-se a bater no Gugu e a ser cortejada pelo próprio SBT e pela Record. Mais que isso: desde a estréia, tudo o que acontece com o Pânico na TV vira notícia. Até mesmo sua não-ida para o SBT.

O não-evento envolveu um estranho apagão de dez minutos nas transmissões do programa, duas reuniões insólitas de Tutinha com Silvio Santos, negociações secretas sistematicamente vazadas e manobras da direção da Rede TV!, que prometem a permanência do humorístico na emissora até o fim do contrato, em 2007. Foi nessa semana atribulada que o capo da gangue que atazana as celebridades brasileiras recebeu a Trip nos escritórios da Jovem Pan, na avenida Paulista, em São Paulo.

Durão

A fama do homem é de mau. Chefe intempestivo, executivo estressado, negociador durão. Casado pela terceira vez, ele mora com a mulher, Nádia, e três enteados. Tem três filhos, todos do primeiro casamento, com idades entre 14 e 20 anos. Ao longo das três horas de conversa, fala de sonhos e arrependimentos de forma desconcertantemente franca: “Sou um empreendedor. As pessoas assim são mais infelizes, mas são elas que fazem as coisas”.

Ao passar a limpo o currículo, revela que, antes de ser homem de rádio, foi moleque faz-tudo na TV. Seu avô, pai do velho Tuta, era o célebre Paulo Machado de Carvalho, apelidado “Marechal da Vitória” depois de chefiar a delegação brasileira na Copa de 1958 e eternizado no nome oficial do estádio do Pacaembu. Não seria errado dizer que Tutinha é neto do Pacaembu. O avô Paulo foi também um dos pioneiros da televisão no Brasil: fundou a Record em 1953. Em 1965, quando a Globo de Roberto Marinho ensaiava os primeiros passos, a emissora do Marechal produzia Jovem Guarda e O Fino da Bossa.

Tutinha chegou nessa festa atrasado, mas nem tanto. “Peguei o final da Família Trapo [com Ronald Golias e Jô Soares], Hebe… Fiz direção de TV, fui câmera, fiz áudio e luz, organizei trilha de novela. A Record vinha numa linha decadente naquela época [começo dos anos 70] e, depois que meu pai saiu, fui montar a primeira FM da Jovem Pan. Programava Billy Eckstine, Peggy Lee, eu manjava de jazz pra cacete!”

A secretária interrompe no viva voz: “Tutinha, é o Rodrigo Navarro [diretor-comercial do SBT]“. Toca o telefone, ele tira do gancho e desliga. Segue a entrevista, toca de novo, Tutinha tira o fone do gancho e desliga. Mais um minuto, toca de novo, ele tira do gancho novamente e, num gesto impaciente, deixa o aparelho jogado no chão. Depois sorri, cúmplice, para o repórter. Um doce de entrevistado.

Trip Você esperava que o Pânico na TV fosse dar tão certo?
Tutinha Os índices que temos hoje, eu realmente não esperava. Mas há 12 anos o Pânico está no ar na rádio Jovem Pan FM e há 12 anos é primeiro lugar. Por isso foi que eu pensei: “Porra, vamos fazer esse programa na TV”. Fiquei um ano tentando. Fui ao SBT, falei com o Guilherme Stoliar [superintendente-comercial do SBT], que é meu amigo, e ninguém quis. Falei na Gazeta e até naquela Rede Vida. Não quiseram. Fui à Bandeirantes, falei com a Marlene Mattos, e ela me deu canseira. Disse que queria, depois muxibou. Era um projeto muito barato: 70 mil. Mas ela ficou jogando e no final eu arrumei sozinho um patrocínio: cheguei na Vivo e vendi. A Rede TV! não queria, mas eu entrei já com a grana. Na primeira semana, já tivemos uma audiência anormal. Levamos os ouvintes da Jovem Pan para a TV.

Em 84, você apareceu numa reportagem da Veja citando pessoas que estavam fazendo uma revolução no rádio. O Pânico hoje é uma revolução na TV?
Conseguimos quebrar os padrões. O Faustão hoje é insuportável. Com todo o respeito, ele é meu amigo e um superprofissional. Mas o formato do programa dele não dá: pega um cara e fica 30 minutos falando do cara. O programa do Gugu: duas horas conversando com uma pessoa, depois vêm a mãe, a tia… Insuportável. Não é a minha opinião, é a opinião de todo mundo! E aí vem o Pânico fazendo um negócio descontraído, fica mais verdadeiro. Não é que o programa tenha roteiro: os caras não batem bem mesmo! O Vesgo não bate bem, o Ceará não bate bem, ninguém bate bem…

Você também não bate bem?
Eu acho que eu também não bato bem [risos]. Mas tento evitar que eles sejam grossos, porque os caras não têm limites. Foram no Fashion Week, levantaram a saia de uma mulher e tomamos um processo. Gravaram uma matéria em que ficavam pegando no pinto de uma estátua! Hoje o programa está em evidência: qualquer coisa, a turma manda processo pra ganhar dinheiro! Tem sempre gente no nosso pé: uma associação de velhinhos, o pessoal que reclama dos anões… Mas o cara que faz o Robinho [o anão Nestor Bertolino Neto] está feliz da vida, ganhando uma grana. E o bordão “Pedala, Robinho” hoje é nacional. Vi na Globo outro dia um político dizendo que o governo precisa pedalar.

É verdade que o presidente de uma empresa foi sacaneado pelo Vesgo e pelo Ceará, mesmo sendo o patrocinador do programa?
Eles não sabem quem é quem, pegam qualquer um. Num evento, passou o tal presidente na frente e eles disseram: “Ó o corcunda de Notre Dame!”. Ele estava patrocinando o programa e deixou de patrocinar. Não sabemos exatamente o motivo, mas deve ter sido um estresse. O problema do Pânico é que os caras são loucos mesmo.

Sua inspiração para criar o Pânico na Jovem Pan foram os talk shows do radialista americano Howard Stern?
No começo dos anos 90, ele se destacava muito nos Estados Unidos. As rádios estavam sempre querendo comprar o ouvinte com prêmios, dando ingressos, camisetas, sorteando coisas. E o Howard fazia o contrário. Dizia para o ouvinte “ah, não enche o meu saco” ou “pô, toma vergonha e compra o ingresso!”. Ele quebrou paradigmas, assim como o Big Boy [DJ "malucão" dos anos 70]. Djalma Jorge, personagem que eu criei, também rompia com o comportamento dos locutores. E a idéia que tive pro Pânico era parar de puxar o saco do ouvinte, fazer perguntas para as pessoas que ninguém faria.

Então essa atitude já estava nos programas que você fazia na Jovem Pan na virada dos anos 70 para os 80, como o próprio Djalma Jorge Show?
De certa forma. E isso vem de antes até: quando tinha uns 17 anos, eu já fazia um personagem chamado Mike Nelson, bem nessa linha. Mas fiz o Djalma sempre com o Emílio [Surita, apresentador do Pânico na TV]. Ele é que é a cabeça do Pânico. Trabalha há quase 20 anos na Joven Pan, é praticamente doninho da rádio. Juntos, nós dois praticávamos essa coisa de falar besteira no ar. Muita coisa do Pânico na TV vem direto do Djalma Jorge, a locução em off do Emílio, por exemplo. Outro dia mesmo eu estava comentando com o Luciano Huck que aquilo é imbatível! O Emílio é um puta craque, trabalha pra burro, fica até as 3h da manhã editando. Sem desmerecer o talento do resto da equipe, ele é o maior responsável pelo sucesso do Pânico.

O Pânico recentemente tentou entregar o prêmio Motosserra de Ouro para o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, um campeão em desmatamento. Você interfere nesse lado politizado do programa?
É uma parte bacana, que vem da cabeça da equipe. Criticamos mesmo, porque todo mundo tem negócios com políticos! O Pânico não tem.

Seria possível fazer o Pânico na Globo?
Acho que seria impossível. Só vejo a Globo pegando o Pânico se fosse para embalsamar. Fizeram isso com muitas pessoas, historicamente.

Como foram as negociações com o Silvio Santos?
Na conversa com o Silvio foi colocado que teríamos independência total. E o horário estaria em contrato, só poderia ser mudado se a audiência baixar. Todo mundo tem medo de ir pro SBT porque o Silvio muda os programas de horário. Ele é muito objetivo. Eu perguntei: “Silvio, você mudaria o programa de horário?”. Ele falou: “Se não der audiência, eu mudo mesmo”. Eu gosto de saber a verdade.

Como está a relação da rádio com as gravadoras agora, com elas em crise? Acabou o jabá?
Jabá não existe, pelo menos na minha rádio nunca existiu. Tudo é ação de marketing, feito com nota fiscal, pagando imposto de renda. Dou anúncio para as gravadoras, tudo certo. Mas hoje elas pararam de investir em música. A rádio se diversificou, vende cross media, tem um departamento grande de eventos. Mudou muito o negócio do rádio, já não é dependente de gravadora. A rigor, nunca foi. A gravadora era uma grana a mais que entrava. Hoje essa grana praticamente acabou.

E eles precisam mais de você hoje em dia?
Sem a Jovem Pan, não estoura música no público jovem AB. Se não tocar com a gente, não estoura. A não ser que entre em novela.

O segredo do sucesso do Pânico na TV foi esculhambar impiedosamente o mundo das celebridades. Você já saiu na Caras?
Não. Eu não sou uma pessoa vaidosa, não gosto de aparecer. A não ser como empresário, numa reportagem sobre as coisas que realizei. Admiro muito o meu pai [Tuta, ou Antonio Augusto Amaral de Carvalho, presidente do grupo Jovem Pan] nesse aspecto.

Como você avalia o pop rock brasileiro de hoje?
A música nacional de moleque hoje é muito ruim. CPM22, Charlie Brown, tudo cheio de palavrão, é horrível! Não tem mais poesia! Porra, assim a música brasileira vai pro saco. Quem vai querer ouvir “Zóio de Lula” [do Charlie Brown Jr.] daqui a dez anos? Isso é uma merda, eu sinceramente acho isso uma merda! É preciso fortalecer um movimento paralelo, com artistas como Vanessa da Mata, Luciana Mello, com mais delicadeza. E está cheio de jovem de classe AB ouvindo samba. O moleque não tem o preconceito que o radialista tem.

Na entrevista que deu à Trip em 1995, você disse que sua saúde era muito ruim e que tomava remédios pra dormir. Ainda toma?
Ainda tomo. Pô, nem sabia que desde 1995 eu tomo isso! Que horrível, hein? Tomo Rivotril, que é fraco, mas não são todas as noites. Eu sou hiperativo, né? É, a saúde continua péssima. Tenho asma, gastrite, essas coisas de cara estressado… Mas tudo sob controle, nada grave.

Com tantas realizações profissionais, chegando perto dos 50 anos, você não tem vontade de fazer algo pela sociedade, pela cultura brasileira?
Hoje mesmo estava conversando sobre montar um teatro só para bandas novas. De todos os estilos, do hip-hop à bossa nova. Eu me cobro todos os dias. Quero fazer coisas pra ajudar os outros. Se alguém tiver alguma idéia e precisar da rádio para fazer um projeto bacana, tamos aqui. Depois eu deixo o e-mail. Me ligar, não! [risos]. Senão vai ligar um milhão de pessoas. A Jovem Pan tem obrigação de fazer mais pela comunidade. Eu quero ser menos dinheirista! Parece demagogia, mas é verdade. Vejo o sucesso da rádio e do Pânico , tudo o que a gente faz, aí falo: “Caceta, que é que eu tô fazendo pros outros? Grande merda tudo dar certo e não fazer nada pros outros!”. O Brasil é um país pobre, com essa divisão de renda sacana, governos corruptos. É um país ruim, com pessoas muito boas.

About these ads

Entry filed under: Uncategorized. Tags: .

Neda. Bastidores da Transamérica FM (SP) nos anos 80.

14 Comentários Add your own

  • 1. Anderson Diniz Bernardo  |  julho 1, 2009 às 3:08 am

    De quando é essa entrevista?

    Abraços!

    Resposta
  • 2. Gabriel Passajou  |  julho 2, 2009 às 3:00 am

    Eu tentei achar e não consegui. Deve ser 2004 ou 2005.

    Resposta
  • 3. Jonatan  |  agosto 21, 2009 às 4:19 pm

    Bem legal mesmo,na minha opinão Jovem pan e Antena 1,são as melhores rádios do Brasil.

    Resposta
  • 4. priscila balod  |  setembro 28, 2009 às 8:27 pm

    ola, ele diz que deixaria um email para o envio de ideias, mas nao o encontrei na reportagem.

    favor me enviar.

    muito grata

    Resposta
  • 5. renan borcem trindade  |  novembro 26, 2009 às 11:49 pm

    bom eu achei muito bom falar do tutinha ele é o cara do radio ninguém construi uma radio até hoje como a jovem pan com uma pegada pro jovem hoje o jovem que isso coisa boa com muita qualiadehd como a jovem pan fm ou am . bom se podessem eu queria que vcś fizessem uma outra entrevista uma mais atual sobre o que ele vai montar pela frente e que ele coloca-se uma jovem pan aqui na região do salgado uma região com belas prais e com muito jovem pronto pra ouvir a jovem pan . então quero que ele coloca-se uma jovem pan aqui na região do salgado com mais 45 municipios e mais de 1 milhão de pessoas no salgado então a jovem pan tem q vim pra cá de novo

    Resposta
  • 6. renan borcem trindade  |  novembro 26, 2009 às 11:51 pm

    bom senhor tutinha o senhor é o cara então venha conhecer a região do salgado pra jovem pan fm voltar a funcionar aqui no salgado

    Resposta
  • 7. renan borcem trindade  |  novembro 26, 2009 às 11:54 pm

    a entrevista é muita boa então façam outra por favor porque ele é o cara do radio brasileiro. só ele é o cara só ele conseguiu montar uma radio com o melhor radio via satelite só ele conseguiu fazer milhões de brasileiros viver melhores

    Resposta
  • 8. renan borcem trindade  |  novembro 27, 2009 às 10:54 pm

    oi essa entrevista foi muita boa eu queria uma entrevista atual e queri q ele viesse conhecer o municipio onde eu moro que é a cidade de marapanim-pará que fica na região do salgado uma bella região do pará
    oi seu tutinha venha conhecer a região com mais de 45 municipios e mais de 1 milhão de pessoas . a onde a jovem pan era chamada de jovem pan sal . bom seu tutinha aqui é um ouvinte que está com muita saudades dessa enorme radio que conquistou o publico jovem do salgado então venha curti a cidade onde eu moro a cidade de marapanim bem pertinho de belém entre 1h50 de viagem é perto mesmo venha curti a região do salgado q morre de saudades da pan sal

    Resposta
  • 9. renan borcem trindade  |  dezembro 2, 2009 às 1:35 pm

    eu gosto muito do tutinha eu acho ele um homen que fez uma radio ser a melhor do modulo fm e am .a jovem pan é uma radio pro jovem , isso é muito bacana , tutinha é um cara de verdade do radio fm e am , tutinha meus parabéns por você fazer da sua radio a melhor do publico jovem . o senhor sim sabe fazer radio no brasil

    Resposta
  • 10. renan borcem trindade  |  dezembro 2, 2009 às 1:36 pm

    eu acho a jovem pan a n do brasil sim a jovem pan é ardio do brasil sim é a n 1 do brasil

    Resposta
  • 11. junior cesar  |  setembro 11, 2010 às 2:53 am

    Senhor Tutinha pois sou ouvinte da Jovem pan fanatico, e queria pedir pra vcs abrir 1 filial aqui em Presidente Prudente, pois aqui tem 1 rádio que se xama 98,1 que copia a Jovem pan e ainda tem a cara de pau de falar que o que toca no mundo vc ouve 1 na 98 então por favor abri 1 filial aqui si eu n morrer de alegria vou ouvir muito todos os dias quando ler esse -mail por favor me responda si tem possibilidade de abrir 1 filial aqui em Presidente Prudente ou não ok fica com Deus chauu.

    Resposta
  • 12. MARCOS AURELIO PEREIRA  |  abril 2, 2011 às 2:33 am

    Sr tutinha eu tbem qro que vcs da jovem pan abra um a fm jovem pan aqui para nós . nossa cidade já evoluiu muito agora só falta uma radio jovem pan pres prudente-sp assim completa a nossa cidade , aqui a jp será o nosso cartão postal . to sabendo que na nossa região esta vendendo uma radio fm 103,7 de pirapozinho , seria ideal vcs comprar essa emissora e trazer pra prudente -sp a jovem pan . o publico jovem prudentino agradece , abraços SR Tutinha…

    Resposta
  • 13. Luís  |  fevereiro 17, 2012 às 1:25 pm

    O meu povão leiam a entrevista novamente a data está logo no começo.

    Resposta
  • 14. Bruno Moura  |  agosto 6, 2013 às 8:16 pm

    tutinha meu futuro patrão haha

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed






















<





Feeds


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 49 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: